Como contei que o irmão é autista.

Olá leitoras!!

 

Sinto falta de escrever sobre maternidade e outras de minhas reflexões, mas é que a vida anda tão corrida nos últimos tempos que não está fluindo. Sempre digo que quando escrevo meus textos é quando escuto um voz que vem e diz: escreve! Não é bem na hora que eu eu quero escrever

Quando falei de autismo pela primeira vez aqui era tudo muito recente e hoje não mudou muito, sei que há muito que se descobrir, aceitar, experimentar, mas tem uma etapa que já passamos e acho legal compartilhar aqui, pode ajudar a outras pessoas que estejam passando pela mesma situação.

Logo depois de termos “digerido” o diagnóstico precisávamos contar para a Marina, minha primeira filha, que o irmão mais novo dela não ia crescer como ela desejava e explicar também algumas atitudes dele para com ela.

Marina sempre foi um doce, muito carinhosa e o Heitor não correspondia. Isso a deixava triste e ela precisava entender que não era culpa dela. De inicio evitamos a palavra autismo, tinha receio de na inocência ela comentar com alguns colegas e de certa forma ouvir comentários preconceituosos. Se isso acontecesse, eu acho, que ela não saberia lidar. Algumas crianças não são tão inocentes assim. Então explicamos a ela que o Heitor era diferente, que precisava que ensinássemos a mesma coisa mais de uma vez, e que precisava de um médico para nos ajudar, mas que acima de tudo somos uma família que tem muito amor e cada um demonstra a sua maneira.

Ela demorou um pouco para entender mas aos poucos foi descobrindo o que deixava ele irritado ou feliz. Acho que o grande divisor foi quando ela participou de uma sessão de terapia, viu como pode ajudar a ele, como entender o que ele quer e também a dizer não, afinal ela não é obrigada a fazer tudo o que ele quer. Nesse meio tempo ele começou a corresponder os carinhos, foi ficando mais atento, como se tivesse descoberto que ele tem uma irmã e foi lindo de ver.

 

marina2

Com o tempo passamos a usar a palavra autismo com mais frequência e os nossos dias passaram a ser menos loucos.

Um dia Marina questionou o porque dele ser autista, que ela não queria que ele fosse. Nesse momento meu coração parou e a resposta que veio foi: por que Deus quis assim, da mesma forma que ele quis que você fosse uma menina e ele um menino, ela então não questionou mais.

O Heitor tem evoluído muito com as terapias o que facilita muito a relação deles dois, que estão começando a brincar juntos de verdade e não só apenas um do lado do outro. Essa semana eu e ela precisávamos estudar para o primeiro teste na escola de ciências sociais e a matéria era justamente sobre regras de convivência e o respeito as diferenças, independentes de quais sejam elas. Aproveitei a oportunidade para explicar com outras palavras a condição do irmão, e disse: O cérebro do Heitor é diferente do nosso, por isso precisamos sempre repetir mais vezes o que estamos ensinando para ele não esquecer. É como se alguns “fios não estivessem conectados”. E nesse momento eu percebi que tudo estava claro e que não havia mais o que explicar.

Nesses últimos 5 meses acho que finalmente ela compreendeu o irmão e desde então tenho visto mais gestos de carinho e paciência com ele e ele com ela. Todas as manhãs quado ela acorda ele vai abraçá-la e dar um beijo. Eu fico muito feliz e agradecida a Deus por ter nos abençoado com filhos tão maravilhosos.

marina

marina 3

Sobre o futuro, é impossível não pensar nele, não sabemos se ele terá condições de ser independente ou não. Ela já disse uma vez que vai cuidar dele pra sempre, e quando ela for crescendo vai aprendendo o que tem que fazer. A minha resposta pra ela foi: filha nós cuidamos e ficamos felizes com a sua ajuda, com o que você QUISER ajudar.

O meu grande desejo é que ela faça as escolhas independente do irmão, e o que ela decidir me deixará feliz.

Beijos e até a próxima.

 

 

 

CompartilheShare on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someone

16 Comentários

  1. Silvana

    Obrigada por compartilhar sua experiência. Vocês são especiais . Deus abençoe a você e toda sua família.

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Obrigada pelo carinho Silvana!! Beijos

      Responder
  2. Karine mãe do Gael

    Amanda! Soube a pouco sobre o Heitor… Que lindo texto! Tenho certeza que Deus escolheu a família certa para recebê-lo! Tenho enorme interesse pelo assunto… Passarei a te acompanhar mais por aqui, encaixar na correria e rotina. Conta conosco tá, quando precisar de uma mãozinha, estamos à disposição! Em breve queremos marcar um Cnato Grande com todos os coleguinhas.. Beijos a família !

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Obrigada Karine, feliz de ter ver por aqui. Vamos trocar várias idéias então rs. Canto Grande é muito bom, vamos sim!! Beijoss

      Responder
  3. Isis

    Que texto maravilhoso, Amanda. Me arrepiei lendo a parte que você disse “no que você QUISER ajudar”. Isso é maravilhoso!
    Muito bonito como vocês estão encarando e passando por tudo isso. Parabéns pra toda família é muita força nessa caminhada! ❤️

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Obrigada Isis. É uma caminhada difícil mas de muitas conquistas. Todas boas vibrações são muito bem vindas. Beijossss

      Responder
  4. Lúcia Almeida

    Muito bom o texto leve sem ares de amargura , isso é essencial pra uma vida familiar saudável. E com certeza eles são felizes percebe-se pelas fotos. Que Deus lhe conceda sabedoria para conduzir da melhor forma possível a vida de vcs.

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Obrigada Lúcia. Beijos.

      Responder
  5. Cristina

    E assim mesmo, Amanda! Um dia de cada vez, a gente vai aprendendo a lidar com os dois tipos de pessoas, uma dita”normal” e a outra dita “especial”, mas no fundo todas são tao iguais e ao mesmo tempo diferentes, pois cada uma tem seus temperamentos, seus gostos, mas no fundo todos queremos ser aceitos e amados na nossa família e em torno dela.
    Parabéns, amiga! Que Deus continue te dando sabedoria e abençoando vocês nessa linda missão!!! Beijos!

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Isso mesmo Cris! Um dia de cada vez e sempre em frente. Muita fé e amor. Obrigada!! Beijoss

      Responder
  6. Alessandra

    Gosto muito de ler seus post. É muita generosidade compartilhar suas descobertas, seus aprendizados. Tenho certeza que ajuda muita gente. Sempre tiro coisas boas dos seus post mesmo não passando pelos mesmos desafios que vocês passam. Vejo pelas fotos que seus filhos são crianças felizes.
    Que Deus continue te dando sabedoria.

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Alessandra, me emocionei com seu comentário. Poder ajudar é o que nos motiva e receber o retorno de vocês é bom demais. Obrigada. Que Deus te abençoe, beijos.

      Responder
  7. Madalena

    Adorei o texto Amanda e como professora, gosto muito de ler depoimentos de pais que me ajudam tanto com meus alunos como na orientação às famílias. Parabéns!!

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Obrigada Madalena. Felicidade poder contribuir. Beijos

      Responder
  8. nilza Almeida

    Amanda e Anderson, meus queridos! As vezes custamos a entender o que nos acontece é principalmente o porquê nos acontece. A partir do momento que aceitamos como nossa realidade passamos a administrar o problema é conseguimos enxergar caminhos. E então a vida corre mais suave. Que Deus mostre sempre a vcs os caminhos e os ajude a escolher os melhores. Beijos!!

    Responder
    1. Comadre (Publicações do Autor)

      Obrigada Nilza! As vezes queremos entender e não sabemos como, mas o tempo, a fé e o coração aberto faz com que as coisas aconteçam sim mais leves. Amém. Beijos

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *